fbpx

Pandemia estimula negócios que envolvem tecnologia e inovação

Pandemia estimula negócios que envolvem tecnologia e inovação

Publicado em: 10 de junho de 2021

Como empreender, inovar e crescer em um cenário de pandemia, quando o país apresenta reflexos econômicos negativos? Planejar novos negócios em um cenário desafiador como este pode ser uma tarefa bem difícil, mas “o brasileiro não desiste nunca”, e muitos têm se encorajado a pensar “fora da caixinha”.

Um dos setores mais impulsionados em 2020 e que continua crescendo este ano é o da tecnologia. Pequenas, médias e grandes empresas, independentemente da área em que atuam, devido a pandemia mundial, passaram a depender ainda mais da Inteligência Artificial (IA), seja para realizar atividades repetitivas e numerosas, ou até para colaborar com a análise de processos e tomada de decisões.

Apesar dos inúmeros benefícios que essas mudanças provocaram nas empresas, as máquinas não substituíram 100% os humanos, pois existem tarefas realizadas apenas por pessoas. Prova disso, é que o mercado registrou um significativo aumento na contratação de profissionais da área de Tecnologia da Informação (TI). A ideia é que os processos robóticos sejam fonte de apoio para os profissionais, sem substituí-los, mas auxiliando-os na correção de falhas.

Então, se o cenário de pandemia estimulou de forma significativa o desenvolvimento tecnológico nas empresas, também permitiu que mais empreendedores apostassem nesta área.

Aceleração: mais startups no mercado

Que tal você ser o idealizador de uma startup? Pode-se dizer que este tipo de empresa possui ideias inovadoras com alta chance de crescimento. O foco realmente é pensar em algo que ainda não existe no mercado e, quase sempre, usar tecnologias para desenvolver seus produtos e negócios.

Você sabe o que Facebook, Google e Amazon, três grandes empresas conhecidas mundialmente, tem em comum? Elas surgiram como startups, mas não estagnaram, buscaram constantemente avaliar seus produtos, conhecer melhor os seus clientes e, assim, desenvolveram seus negócios de forma crescente, tornando-se referências no mercado econômico.

O pontapé inicial, além desta ideia inovadora e criativa, nem sempre é fácil, porque demanda investimento, tempo e flexibilidade. Muitos empreendedores de startups usam bootstrapping, ou seja, recursos próprios para ver o negócio prosperar, com suas expectativas e, claro, riscos. Outros, porém, contam com os conhecidos investidores-anjo, que aplicam dinheiro ou até mesmo dão outro tipo de apoio e, em troca, passam a ter uma participação minoritária na empresa.

Cinco passos iniciais para criar uma startup

  1. O primeiro e mais importante – ter uma ideia inovadora;
  2. Criar um protótipo, ou seja, desenvolver a primeira versão desta ideia e testá-la com os possíveis clientes;
  3. Fazer as análises de como esta ideia se comportou no mercado e adaptá-la, caso necessário;
  4. Buscar parcerias/sociedade – foque em alguém que realize funções diferentes das suas para complementar o negócio;
  5. Recursos – todo bom negócio necessita de um investimento inicial. Pesquise investidores, apoiadores e empresas que possam colaborar com a sua startup.

Marco Legal das Startups

Aprovado este ano, o Marco Legal das Startups veio dar um aporte para as expectativas neste mercado tecnológico e de inovação. Conforme ele, “as organizações empresariais ou societárias, nascentes ou em operação recente, cuja atuação caracteriza-se pela inovação aplicada a modelo de negócios ou a produtos ou serviços ofertados”. Assim, podem ser enquadradas nos startups:

  • o empresário individual;
  • a empresa individual de responsabilidade limitada;
  • as sociedades empresárias;
  • as sociedades cooperativas;
  • e as sociedades simples com receita bruta de até R$ 16 milhões no ano anterior e com até 10 anos de inscrição no CNPJ.

Nesse sentido, o objetivo principal é desburocratizar e facilitar investimentos no país, bem como ajudar esses empreendedores a terem visibilidade no mercado de negócios, realizando parcerias com as grandes empresas.

Joinville: grande polo de inovação e tecnologia

A Fastparts tem sua sede na maior cidade catarinense, que tem se destacado no cenário econômico como um berço de grandes ideias e com um grande número de startups. Joinville desponta entre as principais cidades do país com maior taxa de startups por habitante, cerca de 2,4 empresas, é o que mostra o estudo realizado pela Acate (Associação Catarinense de Tecnologia) e Neoway.

Além disso, outro fator que beneficia as empresas joinvillenses é a localização estratégica do município, sendo um excelente corredor logístico do Sul do país, próxima a portos como o de Itajaí, São Francisco do Sul e Paranaguá e aeroportos como o de Navegantes e Florianópolis a poucos quilômetros de distância. Além disso, destaca-se o acesso facilitado a uma das principais rotas de acesso terrestre, a BR-101, que corta longitudinalmente o país. Estes fatores propiciam uma excelente logística e grande fonte de negócios.

Fastparts: parceira das Startups

Enfim, é certo que o uso das tecnologias e o crescente número de startups no país estão aí para somar e as empresas que souberem aproveitá-las, ganharão muito com estas parcerias. Aqui na Fastparts, apoiamos esses empreendedores, pois acreditamos no potencial e nos excelentes negócios que podemos realizar juntos. Oferecemos serviços como:

  1. Prototipagem Rápida;
  2. Molde de Injeção;
  3. Molde de Silicone;
  4. Usinagem de peças em diversos materiais e em peças transparentes;
  5. Engenharia Reversa;
  6. Termoformagem;
  7. Laminação em Fibra de Vidro;
  8. Estampo protótipo e
  9. Injeção de peças plásticas.

Deseja mais informações da Fastparts preencha o formulário

    Conheça em detalhes nossos serviços no nosso site.

    Compartilhe