fbpx

Fastparts: Impressão 3D e a Tecnologia Assistiva

Fastparts: Impressão 3D e a Tecnologia Assistiva

Publicado em: 30 de setembro de 2021

Já imaginou passar um dia sem o seu celular ou ficar sem o pacote de dados para ter acesso à internet? Não poder recarregar seus dispositivos como tablets e notebooks? Algo mais cansativo, você mora em apartamento e o elevador, do nada, parou de funcionar e vai ter de encarar cinco andares pela escada?

Se você se abalou com algumas destas situações corriqueiras e simples, imagina quem precisa diariamente de algum tipo de tecnologia para se locomover, ouvir ou enxergar melhor. Os desafios diários que um deficiente enfrenta são inúmeros e é justamente sobre o uso da Tecnologia Assistiva (TA) aplicada a este público que vamos falar.

Se para você este tema é desconhecido, para os que possuem algum tipo de deficiência ou convivem com uma pessoa deficiente, a TA tem um propósito significativo. Infelizmente, cadeirantes, cegos e surdos ainda precisam lutar por muitos recursos que melhorem a sua qualidade de vida, o seu ir e vir. Então, a partir de hoje, pense assim: cada deficiência, um recurso diferente, com uma acessibilidade específica, por exemplo, um cego precisa de um leitor de telas para acessar a internet. Um surdo, tradução em Libras. Precisamos estar mais atentos a essas necessidades.

Afinal, o que é Tecnologia Assistiva (TA)?

Para abordar melhor este conceito, a Lei Brasileira da Pessoa com Deficiência (Lei nº 13.146/2015), discorre: “produtos, equipamentos, dispositivos,

recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivem promover a funcionalidade, relacionada à atividade e à participação da pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida, visando à sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social”.

Já, o Comitê de Ajudas Técnicas (CAT) define Tecnologia Assistiva conceituou desta forma: “uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social”.

Então, quando falamos de Tecnologia Assistiva, podemos pensar em recursos que colaboram com o dia a dia das pessoas com deficiência, para ampliar a mobilidade, a interação, a comunicação e promover suas habilidades funcionais. Assim, permitir uma independência, e, claro, visar a qualidade de vida e a inclusão social.

O avançar das tecnologias neste sentido visam a multidisciplinaridade, onde diversas áreas têm trabalhado em conjunto para pensar métodos, dispositivos e equipamentos que promovam a acessibilidade e a autonomia. Lembre-se: há uma multiplicidade de deficiências, então, cada caso deve ser estudado dentro de suas necessidades individuais. Citamos aqui uma pessoa com Síndrome de Down, que tem características específicas, diferentes de um autista. O foco deve ser o de otimizar e melhorar a vida de quem tem qualquer tipo de deficiência.

Então, o estudo de TAs, está em constante avanço para desenvolver recursos, serviços e produtos para este público, seja nas áreas de educação, psicologia, tecnologia e engenharia, entre outras:

  • Educação: Para uma criança com deficiência é imprescindível um atendimento especializado nesta área, com recursos para incluir e facilitar o aprendizado.
  • Saúde: área para qualquer tipo de deficiência, com diversos profissionais que atuam focados nas particularidades de cada deficiente. Citamos fonoaudiólogos, psicólogos e ortopedistas.
  • Psicologia: atua em conjunta com as áreas de educação e saúde com meta no apoio ao indivíduo com transtornos de desenvolvimento.
  • Tecnologia: por meio de ideias inovadoras, a tecnologia deve avançar para promover cada vez resultados mais significativos.
  • Engenharia, arquitetura e design: nestes quesitos, a TA entra de diversas formas, por exemplo, um semáforo sonoro, que auxilia na locomoção e promove mais acessibilidade a um cego ou um projeto para a área residencial de um cadeirante.
  • Informática: deve evidenciar a elaboração de softwares e dispositivos que promovam a inclusão social.

Explicamos até aqui, o que é TA e falamos das áreas onde ela pode ser aplicada. Agora, vamos conhecer alguns exemplos de tecnologia assistiva.

Na prática: a Tecnologia Assistiva

Então, a TA pode ser aplicada nas mais inúmeras formas para auxiliar na ampliação de meios que possibilitem a realização de uma função desejada por aqueles que se encontram impedidos por circunstância de deficiência ou envelhecimento. Agora, citamos apenas alguns exemplos de Tecnologia Assistiva:

  1. Projetos arquitetônicos para acessibilidade e mobilidade;
  2. Andadores, Órteses e Próteses;
  3. Ampliação da função visual (Lupas manuais ou eletrônicas);
  4. Recursos para acessibilidade ao computador;
  5. Adaptação de veículos;
  6. Aparelhos para surdez.

Na área digital, muito tem se desenvolvido dentro da TA. O Guia de Rodas oferece um serviço que avalia o nível de acessibilidade dos restaurantes, bares e hotéis. Já ouviu falar do AVA? Ele faz a transcrição de áudio para textos.

O Hand Talk é um Tradutor da Língua Brasileira de Sinais (Libras), que faz a interpretação automática de texto e voz e permite que surdos e ouvintes possam estabelecer comunicação.

Para pessoas com deficiência visual, o Be My Eyes, por meio da solicitação de uma chamada de vídeo, ajuda pessoas com deficiência visual a se conectarem a voluntários que colaboram para auxiliar na identificação de cores, placas e a resolver outras tarefas cotidianas.

Já o Telepatix auxilia pessoas com limitações severas de movimento. O aplicativo permite que o usuário escreva e vocalize frases com o mínimo de movimentos e é compatível com um acessório que permite sua utilização com apenas o piscar de olhos.

Impressão 3D e a Tecnologia Assistiva

Todos os dias, ideias inovadoras são colocadas em prática para facilitar a vida de pessoas com deficiência. Muito tem se avançado na indústria para desenvolver processos e produtos com o foco na Tecnologia Assistiva. Na Fastparts, por exemplo, a Impressão 3D possibilita uma infinidade de aplicações nos projetos de acessibilidade. Basta você trazer suas idéias para usarmos os recursos de tecnologia e desenvolvermos qualquer peça.

É importante que a TA esteja em constante renovação, seja para otimizar os recursos existentes ou ampliá-los. Gostou do tema de hoje? Ele fala de inclusão, acessibilidade e de qualidade de vida. Sua empresa vai desenvolver algum equipamento ou robotização com foco na Tecnologia Assistiva? Venha conversar com os nossos especialistas, eles podem contribuir na criação de peças com as tecnologias de Impressão 3D. Compartilhe este tema nas suas redes sociais.

Quer receber mais informações preencha o formulário:

    Compartilhe